Orientações e dicas

05/01/2018

O que é trombofilia

O que é trombofilia

Entender o que é trombofilia é importante, principalmente, para as mulheres que estão grávidas. Não se trata, especificamente, de uma doença, e sim de uma condição em que há maior predisposição para o surgimento de uma trombose.

Uma das causas possíveis para a trombofilia é a hereditariedade. A outra maneira de a condição se desenvolver é por fatores adquiridos que facilitam a formação de coágulos no sangue, como:

  • o uso de medicamentos utilizados em terapias de reposição hormonal, contracepção oral, dentre outros;
  • os procedimentos cirúrgicos;
  • a imobilização prolongada;
  • a própria gravidez;
  • o puerpério (período de 45 dias após o parto).

Geralmente, nos casos de trombofilia adquirida, surge, nas pacientes, a síndrome antifosfolípide, em que há a produção de um anticorpo que incita a coagulação do sangue e maior risco para a saúde.

Mulheres que já tiveram trombose ao menos uma vez antes da gestação precisam ter maior atenção à saúde durante a gravidez, pois a probabilidade de que um novo coágulo surja no período gestacional é maior.

Situações em que é possível saber o que é trombofilia

Nem sempre é possível identificar o que é trombofilia pelos sintomas. Às vezes, a mulher grávida não percebe nada de diferente no corpo, nem identifica qualquer sensação diferente das habituais da gestação. Mas precisa ficar alerta quando observa o surgimento de um inchaço súbito nas pernas.

Outros sinais que podem denunciar problemas na corrente sanguínea são:

  • sensação de dor na perna ao caminhar, permanecer em pé e até em repouso;
  • sensação de calor no local;
  • aspecto azulado ou pálido na parte da perna em que se observa o inchaço, com presença de dor.

Esses sinais são os mesmos presentes em pacientes com trombose venosa profunda e são percebidos, na maior parte dos casos, nos membros inferiores.

Riscos associados à trombofilia

Qualquer vaso sanguíneo pode ter a circulação do sangue interrompida ou prejudicada por causa de um coágulo. O fluxo de sangue mais lento ou uma anomalia no organismo, relacionada à coagulação, são as principais razões que favorecem a formação do coágulo.

É o sangue que leva os nutrientes necessários ao bebê para que ele possa se desenvolver. O corte ou a diminuição do fluxo que a existência de um coágulo pode provocar nas veias da placenta gera riscos para a criança e para a mulher. Dependendo do nível de obstrução venosa, o bebê pode até falecer. O risco maior, para a grávida, é de que ocorra uma embolia pulmonar.

A saúde da mãe e do filho corre menos perigo quando ambos têm o acompanhamento médico necessário. A mulher deve seguir com rigor as orientações dos profissionais de saúde que lhe prestam assistência e sempre recorrer aos especialistas quando surgir dúvidas ou sentirem que algo não vai bem.

< Voltar

Você pode se interessar também por:

WhatsApp