Orientações e dicas

Por: - Cirurgião vascular - CRM/DF 10.711
Publicado em 20/01/2020

Principais causas e tratamentos para varizes pélvicas

Principais causas e tratamentos para varizes pélvicas

As varizes que se desenvolvem nos membros inferiores já são bastante conhecidas por grande parte dos pacientes, mas o que pouca gente sabe é que as veias varicosas também podem aparecer na região da pelve. Embora não tenha uma cura definitiva, existem tratamentos para varizes pélvicas que podem amenizar os sintomas do problema.

Ouça este conteúdo:

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBAVC), a condição pode afetar até 30% das mulheres, mas ainda é comum que muitas pacientes não tenham conhecimento sobre a doença.

E você, já ouviu falar em varizes pélvicas? Neste artigo, reunimos as principais informações sobre o tema para que você possa conferir as causas, sintomas e tratamentos deste tipo de varizes. Continue a leitura e saiba mais!

O que são varizes pélvicas?

As varizes pélvicas são veias dilatadas que surgem na região da pelve, principalmente ao redor do útero, trompas e ovários. Na anatomia feminina, as veias gonadais ou ovarianas são de extrema importância para a drenagem venosa da pele. Quando essas veias passam a ter dificuldade para realizar o retorno do fluxo sanguíneo ao coração ocorre o aparecimento das varizes pélvicas.

Quais são as principais causas?

As varizes pélvicas possuem duas causas principais. A primeira delas é a hereditariedade, ou seja, pacientes que apresentam histórico familiar da doença têm mais chances de desenvolver o problema ao longo da vida. Contudo, grande parte dos casos de varizes que surgem na região da pelve estão relacionadas à gravidez.

Isso porque, durante a gravidez, as veias pélvicas tendem a se alargar para criar uma boa conexão com o feto e permitir o seu correto desenvolvimento. Se as veias não retornarem ao tamanho normal após o parto, a mulher irá desenvolver varizes pélvicas.

Além disso, o útero cresce muito, fazendo com que a quantidade de sangue na região aumente e sobrecarregue o sistema venoso da pelve, podendo resultar no aparecimento de varizes na região.

O risco é ainda maior para mulheres na faixa etária entre 30 e 50 anos que já passaram por mais de uma gestação e que sofrem com problemas hormonais e distúrbios menstruais irregulares.

Quais são os sintomas?

Os sintomas das varizes pélvicas podem variar de paciente para paciente, mas de maneira geral as mulheres que sofrem com o problema apresentam:

  • dor na região pélvica;
  • dor abdominal;
  • dor durante e após a relação sexual;
  • sensação de peso na região íntima;
  • incontinência urinária;
  • sangramento intenso durante o período menstrual.

Como é feito o diagnóstico?

Os sintomas das varizes pélvicas podem ser confundidos com quadros de gastrite, cólica e até mesmo endometriose. Por isso, o diagnóstico correto do problema só pode ser realizado com a ajuda de exames específicos. Basicamente, o médico solicita a realização de dois exames:

  • Eco Doppler: permite avaliar o fluxo sanguíneo da parte inferior do abdômen e verificar se elas são insuficientes para a circulação sanguínea.
  • Angiotomografia: trata-se de uma tomografia computadorizada que permite avaliar de maneira precisa as veias pélvicas.

Quais são os tratamentos para varizes pélvicas?

O tratamento para varizes pélvicas deve ser realizado de acordo com o quadro de cada paciente. Nos estágios iniciais, o problema pode ser tratado com medicamentos específicos que ajudam a diminuir a dilatação das veias e amenizar os sintomas.

Se o tratamento medicamentoso não for suficiente, é necessário realizar um procedimento cirúrgico, que pode ser feito de duas formas:

 

  • Cirurgia laparoscópica: é feita uma ligadura dos vasos dilatados para que o sangue circule apenas nas veias que estão saudáveis. O procedimento é realizado sob anestesia geral e requer internação hospitalar.

 

 

  • Embolização: através de uma pequena incisão na virilha, o médico realiza a colocação de pequenas molas dentro das veias pélvicas dilatadas com o objetivo de bloquear o fornecimento de sangue e aumentar a força da parede das veias. A técnica é minimamente invasiva, sendo a mais utilizada no tratamento para varizes pélvicas.

 

Gostou do nosso conteúdo? Aproveite para conferir outros conteúdos de nosso blog. E para acompanhar nossas atualizações, siga-nos no Facebook e Instagram. Até a próxima!

< Voltar

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.


Material escrito por:
Cirurgião vascular - CRM/DF 10.711

Formado em medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Vascular. O médico é membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do Serviço de Cirurgia Vascular do Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Dedica-se ao estudo e manutenção de acessos vasculares para tratamentos como hemodiálise e quimioterapia, além do tratamento de varizes e fleboestética (cirurgias, microcirurgias, laser e espuma densa).

 

Você pode se interessar também por: