Orientações e dicas

09/06/2016

Varizes e anticoncepcional: qual é a relação?

Varizes e anticoncepcional: qual é a relação?

A pílula anticoncepcional provoca varizes? Essa é uma pergunta muito comum quando o assunto são os mitos e verdades relacionados às varizes. E a resposta é: sim, principalmente a que contém concentração maior de estrogênio. Ou seja, realmente há uma associação entre varizes e anticoncepcional, mas qual é essa relação exatamente?

O anticoncepcional é um fator desencadeante das varizes por causa dos hormônios presentes em sua fórmula: o estrogênio e a progesterona. Cada um provoca um efeito nas estruturas envolvidas na circulação e no fluxo do sangue. O estrogênio altera as paredes das veias e danificas as válvulas responsáveis pelo controle da passagem do sangue dentro delas. A progesterona aumenta a dilatação das veias e o fluxo de sangue que passa por elas. Isso exige que os vasos trabalhem sob um regime de pressão acima do normal e pode resultar no aparecimento das varizes.

É preciso parar de tomar anticoncepcional?

Os médicos são unânimes em afirmar que os hormônios sintetizados usados para inibir a ovulação podem causar varizes principalmente em mulheres que têm predisposição genética. No entanto, essa condição não significa que elas terão de deixar de usar a pílula como método contraceptivo. Há casos em que o cirurgião vascular pode até recomendar a escolha de outros métodos para evitar a gravidez, contudo é possível continuar usando a pílula, desde que sejam seguidas as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o uso do fármaco e o acompanhamento médico seja constante.

Um cuidado ao qual as mulheres que têm varizes ou vasinhos, ou estão mais propensas a tê-los, precisam estar atentas é utilizar, preferencialmente, um medicamento que seja composto por progesterona. O hormônio interfere menos no sistema vascular que o estrogênio.

Cuidados importantes relacionados às varizes e anticoncepcional

A pílula anticoncepcional é um medicamento, portanto, não deve ser usado sem prescrição médica e nem sem o acompanhamento do ginecologista. Por conter uma quantidade menor de hormônios, as pílulas de baixa dosagem exigem um controle maior. E só o especialista é capaz de dizer se a mulher pode utilizá-la com segurança e qual tipo de pílula é mais indicada para cada caso. Ele ou o cirurgião vascular podem, inclusive, solicitar a realização de exames que confirmem ou afastem a possibilidade de predisposição genética para doenças vasculares antes de receitar o medicamento.

O cuidado é importante em qualquer idade, contudo, mulheres com 35 anos ou mais devem ficar mais atentas, pois fazem parte da idade de risco para começar a apresentar a doença. E qualquer uma, sem exceção, que use anticoncepcional ou não, que sente dor nas pernas, ardência ou se incomodam com o aspecto das varizes nos membros inferiores devem procurar um cirurgião vascular para livrar-se do desconforto.

< Voltar

Você pode se interessar também por: