Procedimentos e exames

Escleroterapia de telangiectasias

As veias das pernas de aspecto azulado ou avermelhado, frequentemente identificadas como veinhas ou vasinhos, são, na verdade, telangiectasias. Geralmente, são percebidas nos membros inferiores, no entanto, podem surgir em qualquer parte do corpo: face, bochecha, queixo, abdome e próximo ao nariz. O procedimento mais usado para eliminá-las é a escleroterapia de telangiectasias.

A maioria dos casos de telangiectasias é registrado entre as mulheres. O uso do anticoncepcional, a reposição hormonal, permanecer em pé ou sentado por muito tempo, a gravidez, a obesidade, o esforço físico exagerado e o calor são os fatores que mais propiciam o surgimento desse tipo de variz nas pernas. Contudo, existe também a predisposição genética, ou seja, a hereditariedade, fator de maior influência no desenvolvimento de qualquer tipo de variz.

O que a escleroterapia de telangiectasias faz

Em algumas pessoas, o maior incômodo que as telangiectasias causam é estético, mas nem por isso devem deixar de ser tratadas. Às vezes, a dor (como se as pernas estivessem pesadas) e a queimação sentida nos membros inferiores, especialmente no fim do dia e quando as temperaturas estão mais elevadas, deve-se à existência dos vasinhos nas pernas.

A escleroterapia de telangiectasias resolve todos esse sintomas associados ao extingui-las com a aplicação de um líquido esclerosante diretamente no vasinho, com o auxílio de microagulhas. É indicada somente para remover esse tipo de variz, os vasinhos.

Como não é recomendado usar o esclerosante em grande quantidade de uma só vez, a escleroterapia é realizada em sessões. Em cada uma, é feita a aplicação de acordo com a tolerância da paciente. No início do tratamento, o cirurgião vascular avalia quantas sessões serão necessárias, mas a quantidade pode ser alterada no decorrer do tempo, de acordo com os resultados que forem sendo obtidos.

O tratamento costuma ser bem tolerado, eficaz e sem complicações quando é executado adequadamente. A recomendação é realizá-lo com um cirurgião vascular com experiência para injetar o esclerosante nos vasos.

A injeção pode provocar um pouco de dor, mas é suportável. As sessões ocorrem no próprio consultório do médico e permitem o retorno imediato às atividades normais. Há poucas complicações relacionadas à escleroterapia de telangiectasias. As possíveis de acontecer são:

  • hiperpigmentação da pele: surgem manchas escuras no local das veias;
  • micro trombos: formação de pontos escuros nos trajetos do vaso;
  • nódulos dérmicos: desenvolvimento de caroços no local das aplicações.

A avaliação sobre se o procedimento é o mais correto para solucionar as varizes existentes nas pernas deve ser feita por um médico especialista. Seguir as orientações do cirurgião vascular faz parte do bom resultado do tratamento.

< Voltar