Orientações e dicas

Por: - Cirurgião vascular - CRM/DF 11.886
Publicado em 04/11/2019 - Atualizado 21/11/2019

Prevenção e cuidados trombose

Prevenção e cuidados trombose

Considerada uma doença potencialmente grave, a trombose pode colocar a vida do paciente em risco caso não seja tratada adequadamente. A boa notícia é que a prevenção e cuidados com a trombose podem garantir a saúde e o bem-estar do paciente, evitando o acometimento da condição durante toda a sua vida.

Ouça este conteúdo:

 

Apesar dos hábitos preventivos, estima-se que cerca de 180 mil novos casos da doença surjam todos os anos no Brasil, segundo a SBAVC. Esse número elevado pode ser explicado, sobretudo, pela ausência de hábitos de vida saudáveis, que acabam contribuindo para a formação de coágulos nos vasos sanguíneos.

Se você ainda não conhece as formas de prevenção e cuidados da trombose, continue a leitura e saiba como evitar que você seja mais um número para a estatística!

Afinal, o que é trombose?

A trombose ocorre devido à formação de um coágulo dentro de um vaso sanguíneo, podendo bloquear ou prejudicar a circulação sanguínea na região afetada. O grande perigo da trombose é o risco de o coágulo se soltar da parede do vaso e ser transportado para o pulmão. Nesses casos, ocorre o que chamamos de embolia pulmonar, uma condição potencialmente fatal.

Basicamente, a trombose pode ser dividida em dois tipos: trombose venosa profunda e trombose arterial.

  • Trombose Venosa Profunda: é responsável por cerca de 90% dos casos da doença. Caracteriza-se pela formação de um coágulo dentro de uma veia, geralmente, em um local mais profundo e acomete, sobretudo, os membros inferiores.

 

  • Trombose arterial: é caracterizada pela formação de um coágulo de sangue em uma artéria, comprometendo a circulação do sangue arterial para os órgãos do corpo humano. Apesar de ocorrer em menor número, a trombose arterial também pode causar graves problemas, como o AVC e infarto.

 

Quais são os fatores de risco?

Muitos casos de trombose ocorrem em pacientes que ficam acamados por longos períodos no pós-operatório, indivíduos que fazem uso de contraceptivo oral ou sofrem com doenças genéticas que favorecem a formação de coágulos.

O histórico familiar de trombose e idade avançada – geralmente acima dos 40 anos – também são condições que podem aumentar as chances de surgimento da trombose. Além disso, a gravidez, bem como o período pós-parto, também são fatores de risco em potencial.

Contudo, a grande maioria dos fatores de risco está associada a hábitos prejudiciais à saúde, que comprometem a correta circulação sanguínea e aumentam os riscos da presença de coágulos. Dentre os principais, podemos citar:

  • imobilidade;
  • sedentarismo;
  • tabagismo;
  • obesidade.

Quais os sintomas?

Embora seja assintomática em alguns casos, a trombose pode provocar sintomas bastante incômodos ao paciente. É importante ressaltar que ao menor sinal de problema, o paciente deve buscar ajuda médica para realizar o diagnóstico o quanto antes. Os principais sintomas incluem:

  • dor;
  • edema;
  • vermelhidão;
  • sensação de queimação;
  • rigidez na musculatura;
  • mudanças na cor da pele.

Além disso, é preciso ficar atento aos sinais de uma possível embolia pulmonar, já que esta condição pode levar à morte. Os principais sintomas são:

  • falta de ar;
  • respiração acelerada;
  • dor na região abdominal;
  • taquicardia;
  • tontura.

Como prevenir a trombose?

Como grande parte dos fatores de risco são evitáveis, a prevenção da trombose pode ser feita com a adoção de hábitos de vida saudáveis. Pacientes que possuem predisposição genética ou estão na faixa etária dos 40 anos devem redobrar ainda mais a atenção com o estilo de vida. Confira o que você pode fazer:

  • mantenha uma dieta equilibrada, rica em frutas, verduras e legumes;
  • procure fazer atividades físicas ao menos 3 vezes durante a semana;
  • durante o expediente ou em longas viagens, procure se levantar e fazer pequenas caminhadas;
  • corte o cigarro e evite o consumo de bebidas alcoólicas;
  • procure manter o peso ideal;
  • eleve as pernas durante alguns minutos do dia;
  • faça o uso de meias elásticas;
  • beba muita água para evitar a desidratação.

O que fazer se já tenho trombose?

Pacientes que já sofrem com a condição devem buscar ajuda médica o quanto antes, a fim de evitar maiores complicações e garantir uma melhor qualidade de vida. Somente um especialista é capaz de realizar um diagnóstico preciso e orientar sobre o tratamento mais indicado para cada caso.

Para casos mais simples, o tratamento pode ser feito com o uso de medicamentos anticoagulantes ou fibrinolíticos, sendo que estes últimos são mais potentes. Caso o tratamento medicamentoso não apresente os efeitos desejados, o médico pode recomendar a realização de uma cirurgia para remover o coágulo.

Gostou do nosso conteúdo? Continue acompanhando nossas novidades através do Facebook e Instagram!

< Voltar

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.


Material escrito por:
Cirurgião vascular - CRM/DF 11.886

Formado em medicina pela Escola de Ciências Médicas de Alagoas, é especialista em Cirurgia Geral, Cirurgia Vascular e certificado na atuação em Ecografia Vascular. O médico é membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do serviço de cirurgia vascular do Hospital de Base do Distrito Federal.

 

Você pode se interessar também por: