Orientações e dicas

16/09/2018

Saiba reconhecer os sintomas de trombose na perna

Saiba reconhecer os sintomas de trombose na perna

Reconhecer os sintomas da trombose na perna são essenciais para compreender melhor o diagnóstico da trombose venosa profunda. Assim, ao perceber os sinais, o paciente pode ajudar bastante no momento da consulta, informando ao médico todas as informações necessárias que tenha percebido em relação ao corpo. Saiba reconhecê-los:

Você sabe quais são os sintomas de trombose na perna?

Reconhecer sinais diferentes na sua saúde é fundamental para reduzir o tempo entre o diagnóstico de uma possível doença e a eficácia do tratamento. Por isso, é tão importante observar as alterações que o corpo está apresentando para que o especialista seja mais preciso no diagnóstico. É importante considerar que, nas doenças venosas, os sinais e sintomas permitem identificar as alterações funcionais dos membros.

Entre as queixas relatadas, existem algumas alterações que podem ser notadas no exame físico e outras não, embora façam parte do diagnóstico. No entanto, é importante que todas elas sejam mencionadas no momento da consulta. Vejamos quais são os sintomas e sinais da trombose na perna.

Dor e inchaço

As dores na perna que indicam a trombose podem iniciar na região da virilha, tanto em repouso, quanto em movimento. O inchaço também pode iniciar em apenas uma perna, como em todo o membro comprometido. Outra maneira de verificar o sintoma é a queixa de dor quando a musculatura da perna é palpada, em decorrência da compressão dos nervos que passam por esses músculos, que estão repletos de líquidos acumulados.

Palidez ou cianose

A cianose de cor azulada ou palidez da pele também são fatores que se apresentam como sintomas da trombose. Assim, a medida que o profissional palpa o trajeto da veia onde há suspeita do local de formação do trombo, provavelmente, o paciente sentirá dor.

Veias superficiais da pele dilatadas

É comum encontrar veias superficiais da pele dilatadas, assim como o aumento das circunferências da perna em relação a outra como um dos sintomas da trombose. A medida pode ser feita dos dois lados no tornozelo, na panturrilha e na coxa.

Observe as condições em que o sintoma aparece

É fundamental analisar quando os sinais e sintomas da trombose aparecem, já que as condições de saúde naquele momento podem interferir no quadro. Dessa forma, a recomendação é observar se o paciente estava bem disposto ou se apresentava alguma situação de risco, como ter passado por alguma cirurgia, se estava imobilizado ou passando por um pós-parto.

Assim sendo, é importante identificar os sintomas, conforme alguns fatores:

  • o local específico de dor;
  • intensidade;
  • irradiação para outras partes do corpo;
  • relação do sintoma com a prática de atividades físicas;
  • alterações durante o trabalho ou durante o sono.

Anote as alterações observadas

Caso prefira, anote todas as alterações que sentir em um caderninho ou diário, especificando os horários e variações de intensidade de um sintoma para outro de maneira detalhada.

Dessa maneira, é importante trazer todas essas informações para a consulta, juntamente com questionamentos que desejam ser feitos ao especialista. Isso será de grande ajuda para o profissional, que poderá usar suas anotações para complementar o diagnóstico.

É importante orientar que, na maioria dos casos de trombose, os pacientes não apresentavam queixas tão incisivas. Por isso, é necessário redobrar a atenção para essas observações se elas se tornarem recorrentes.

 

Como o médico obtém o diagnóstico da Trombose Venosa Profunda?

A partir da descrição dos sintomas, o médico irá confirmar o diagnóstico por meio de um exame de ultrassom (exame padrão ouro), que apresenta baixos riscos e é um procedimento indolor. Outra maneira de ajudar a confirmar o problema é por meio de um exame de sangue específico, que é destinado para fazer a medição do “D-dímero”, responsável por sinalizar a coagulação sanguínea.

Conforme já foi mencionado, quanto mais rápido for realizado o diagnóstico, menores os riscos de complicações.

E as complicações da Trombose Venosa Profunda?

A complicação mais grave da trombose venosa profunda é uma embolia pulmonar. Esse quadro acontece quando uma parte do coágulo (êmbolo) se solta e migra para as artérias pulmonares.

É possível que a embolia pulmonar seja assintomática, o que é comum na maioria dos casos da trombose venosa profunda. No entanto, nesse caso, não há necessidade de reparo específico, já que o tratamento da própria trombose venosa profunda resolve a situação da embolia pulmonar.

No entanto, caso a embolia pulmonar seja sintomática, a probabilidade de ser fatal é bem grande. Por isso, é importante permanecer atento e procurar ajuda médica imediatamente.

Conheça mais sobre a Trombose Venosa Profunda

Também conhecida como flebite ou tromboflebite profunda, a trombose venosa profunda é um problema ocasionado pela coagulação sanguínea no interior das veias.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), cerca de 90% dos casos acometem os membros inferiores.

Quais são os principais fatores de risco da trombose venosa profunda?

A trombose venosa profunda é uma patologia que poderá ser mais frequente em pessoas com as seguintes predisposições e características:

 

  • uso de anticoncepcionais;
  • tabagismo;
  • histórico de varizes;
  • uso de tratamento hormonal;
  • pacientes com insuficiência cardíaca;
  • histórico de tumores malignos;
  • sobrepeso;
  • obesidade;
  • histórico prévio de trombose venosa;
  • cirurgia de médio e grande porte;
  • cirurgia ortopédica;
  • histórico de infecções graves;
  • histórico de traumatismo;
  • período final da gestação;
  • período pós-parto;
  • situações em que o indivíduo permaneça muito tempo imobilizado, como paralisia, infarto agudo no miocárdio, longas viagens aéreas;
  • idade acima dos 40 anos;
  • pacientes com histórico de anormalidade genética do sistema de coagulação;
  • hipertensão;
  • sedentarismo;
  • altos níveis de estrogênio.

Por isso, é muito importante estar atento aos fatores de risco para saber que pode ser um indivíduo com chances aumentadas de sofrer um quadro de trombose venosa profunda. Também é importante lembrar que os fatores de risco são cumulativos, ou seja, quanto mais itens tiver, maiores as probabilidades de ter a doença. Caso você se encaixe em alguns dos fatores mencionados é importante prestar atenção à sua saúde vascular.

Você identificou alguns dos sinais apresentados? Procure ajuda médica. Aproveite para agendar uma consulta com um dos nossos especialistas e se prevenir desse e outros problemas da saúde venosa.

 

< Voltar

Você pode se interessar também por:

WhatsApp