Orientações e dicas

Por: - Cirurgião vascular - CRM/DF 11.886
Publicado em 25/03/2019

cirurgia para varizes: quando é a melhor solução?

cirurgia para varizes: quando é a melhor solução?

Você já deve saber que, além da cirurgia de varizes, existem várias técnicas para lidar com as veias danificadas. Mas quando o tratamento cirúrgico é a única opção para o problema?

Para responder a essa pergunta, é preciso avaliar a situação das veias afetadas, que podem ser desde os vasos capilares finos, os vasinhos, até as veias calibrosas e tortuosas.

E as varizes são um incômodo, não é mesmo?

Não só por deixarem a aparência das pernas com um aspecto desagradável pela dilatação e tortuosidade de algumas veias doentes, mas, principalmente, pelo desconforto que provocam.

Quem tem varizes pode sofrer com dor nas pernas, inchaço, sensação de peso e cansaço. E, atualmente, cerca de 20% a 25% das mulheres adultas e 10% a 15% dos homens convivem com esses sintomas.

Se você sofre com varizes, não se preocupe. Muitos procedimentos são destinados a removê-las, não importa em qual grau de gravidade elas se encontrem.

Nesse artigo, vamos explicar sobre o procedimento cirúrgico de varizes,. Em especial, as suas indicações, com é o processo cirúrgico e o pós-operatório. Confira!

Cirurgia para varizes: quando é recomendada?

As varizes podem se apresentar de diversas maneiras, sendo classificadas em seis graus.

Por exemplo, as varizes de grau 1 são aquelas que parecem formar uma teia de aranha na pele e estão mais relacionadas ao incômodo estético, pois não causam desconforto físico considerável ao paciente.

Assim, a medida que o grau vai aumentando, as varizes se tornam cada vez mais grossas e, consequentemente, aumentam a gravidade do problema.

As varizes extremamente dilatadas e tortuosas e causam dor ao paciente são mais preocupantes e necessitam de tratamento imediato, para evitar maiores complicações.

Geralmente, essas varizes maiores, que possuem de três a cinco milímetros, ou até mais, são as que têm indicação para serem tratadas por meio da cirurgia.

Dentre as técnicas existentes para retirar ou “secar” a veia varicosa, é possível optar pelo método cirúrgico convencional ou pela remoção de varizes a laser. Conheça, a seguir, as diferenças e como os procedimentos funcionam.

Cirurgia de varizes convencional

Na cirurgia de varizes convencional, as veias dilatadas são removidas por meio de microincisões na pele. Para remover as veias doentes, será necessário utilizar um dispositivo parecido com uma agulha de crochet, que poderá extraí-las com eficácia.

Caso a veia de safena também esteja comprometida, será necessário retirá-la com uma incisão na pele, feita na região da virilha, e outro pequeno corte na parte interna do joelho ou na parte interna anterior do tornozelo.

Nesses pontos, a veia safena será identificada e, então, temporariamente isolada. Posteriormente, será criada uma pequena passagem para introduzir nela um fino cabo de aço, que auxilia na retirada.

A cirurgia é o método mais tradicional, mas, graças ao avanço tecnológico, já é possível realizar esse tratamento de modo mais rápido, contribuindo, também, com a recuperação do paciente.

Cirurgia de varizes a laser

Quando a opção pelo procedimento cirúrgico é por meio do uso do laser , conhecido como laser endovenoso, a remoção da veia torna-se desnecessária. Isso acontece porque a energia do laser se encarrega de eliminar a veia doente com eficácia.

Por outro lado, junto à aplicação do laser, será necessário implantar uma fibra ótica direto na veia danificada, para conduzir os pulsos de energia do laser ao longo da veia. Isso provoca uma lesão térmica em seu interior e, com isso, evita que o sangue volte a circular nela.

Para colocar a fibra ótica, o cirurgião vascular poderá optar pela punção com uma agulha, ou, então, por uma única e pequena incisão na pele. O procedimento a laser é acompanhado por um aparelho de ultrassom, que orienta o médico em todo o processo cirúrgico com perfeita visualização.

É importante ratificar que, em qualquer um dos procedimentos escolhidos, o paciente poderá perceber igualmente uma melhora significativa das varizes, tanto na aparência quanto na diminuição dos desconfortos, proporcionando mais qualidade de vida.

Converse com um cirurgião vascular, que poderá orientar sobre o melhor procedimento a ser feito.

Pós-operatório da cirurgia de varizes

O pós-operatório da cirurgia de varizes exige alguns cuidados importantes, que merecem ser explicados:

  • após o procedimento, é necessário ficar em repouso com os membros afetados sob elevação, sendo necessário movimentar-se a cada duas horas, para evitar complicações;
  • a prática de atividade física é liberada após sete dias do procedimento, ou mediante orientação médica;
  • utilizar protetor solar, caso haja incidência solar no local afetado, por pelo menos, 30 dias, para evitar o risco de manchas na pele;
  • para a depilação dos membros afetados, o ideal é esperar por 30 dias;
  • o surgimento de hematomas é normal e tende a regredir entre a terceira e a oitava semana após o procedimento.

Uso de meias elásticas

O uso de meias elásticas é indispensável após a operação, respeitando a orientação do cirurgião vascular. É importante usá-las antes de se levantar da cama até a hora de dormir, retirando-as para o banho.

Além disso, a meia deve ser do tamanho exato para o paciente, para não prejudicar a circulação venosa das áreas que passaram pela cirurgia. Caso não utilize as meias no período da manhã, é importante manter as pernas elevadas por, pelo menos dez minutos, antes de sair da cama.

Vimos, então, que o procedimento cirúrgico é destinado às varizes mais calibrosas, que necessitam ser tratadas por meio de uma intervenção mais complexa. Mas, em relação às varizes menos graves: como podem ser tratadas?

Tratando varizes menos graves

As varizes menos espessas também podem receber tratamento, onde a principal indicação é o uso do laser transdérmico, técnica que pode ser realizada no próprio consultório.

Esse procedimento é destinado às veias varicosas com diâmetro menor que três milímetros, que podem ser tratadas de uma maneira menos invasiva. Ou seja, a técnica do laser transdérmico não exige nenhum tipo de incisão, dispensa a necessidade de anestesia e, na maioria dos casos, permite um retorno imediato às atividades diárias.

Como é o procedimento com o laser transdérmico?

O procedimento consiste em identificar as varizes com um aparelho de realidade aumentada, que mostra as veias de até um centímetro abaixo da pele. Assim, é possível expor as veias ao laser, provocando seu fechamento pela lesão térmica.

Outros tratamentos para varizes

Existem inúmeros tratamentos disponíveis para varizes, indicados para casos específicos. O que deve ser observado é que cada um possui uma indicação própria, ou seja, somente uma avaliação médica poderá dizer se há necessidade de se submeter a determinado procedimento e qual deles é o mais adequado.

Para conhecer os tratamentos realizados pela Vascular Clínica, acesse nossa área de tratamentos.

Como as varizes não podem ser curadas definitivamente, é importante estar atento  aos fatores de risco que aumentam as chances de desenvolver o problema, evitando, assim, seu surgimento precoce.

Atenção aos fatores de risco

As chances de desenvolver varizes aparecem, primeiramente em mulheres, devido aos fatores hormonais, ao uso de anticoncepcionais ou à terapia de reposição hormonal. Além disso, após a mulher passar pela menopausa, a dilatação das veias tende a ser ainda maior.

Pessoas cujos pais ou familiares tiveram varizes também estão propensas a desenvolver o problema.

A obesidade também é um fator de risco preocupante para o surgimento das varizes, em decorrência do acúmulo de peso e a consequente sobrecarga nas veias.

Outro fator desencadeante é a permanência por longos períodos sem se movimentar, como em viagens de longa duração.

Dessa maneira, a incidência dos fatores de risco é uma condição facilitadora para o surgimento das varizes, já que favorecem as alterações na parede das veias e suas válvulas. É mais comum e frequente que as varizes apareçam nos membros inferiores, como pernas e pés. Mas elas também podem ocorrer nos membros superiores.

Agora que você já conhece os procedimentos destinados aos cuidados das varizes e como as veias ficam doentes, consulte um cirurgião vascular ou médico angiologista com frequência, a fim de tomar as medidas necessárias para evitar as veias varicosas. E, se você mora em Brasília e região, aproveite para conhecer os profissionais da Vascular Clínica.

Gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos e familiares, contribua com a saúde vascular de quem você ama!

< Voltar


Material escrito por:
Cirurgião vascular - CRM/DF 11.886

Formado em medicina pela Escola de Ciências Médicas de Alagoas, é especialista em Cirurgia Geral, Cirurgia Vascular e certificado na atuação em Ecografia Vascular. O médico é membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do serviço de cirurgia vascular do Hospital de Base do Distrito Federal.

 

Você pode se interessar também por: